Santa-Faustina 3

Santa Faustina Kowalska

Após um momento de oração em línguas o Senhor deu uma visão de um deposito cheio de potes de vidros (estilo potes de palmito) de tamanhos variados. Em cada um tinha uma etiqueta, e o senhor mostrava um detalhe onde algumas etiquetas estavam cadastradas como Caridade, Simplicidade, Bondade, entre outras…

No discernimento o Senhor dizia que são incontáveis as pessoas que não valorizam, não usam e desperdiçam os seus dons e talentos. Bem como, são também numerosas as pessoas que os usam e depois tornam a guarda-los.

Ao iniciar a pregação o Eduardo aproveitou da visão e leu-nos a leitura do Evangelho de São Mateus 25, 15: “A um deu cinco talentos; a outro, dois; e a outro, um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu”.
Faustina não desperdiçou, nem guardou seus dons e talentos, mas os colocou a serviço das pessoas e por isso seus talentos e dons tiveram grande repercussão. Ela foi uma serva fiel!

Eduardo

Eduardo Teruel – Ministrador do ensino

E é a fidelidade de Faustina para com Jesus que vai marcar a sua vida e os anos futuros com a transformação da Devoção a Divina Misericórdia num ato de amor de Jesus para com as pessoas.

Faustina nasceu em 25/08/1905 em Lodz, foi batizada com o nome de Helena Kowalska. Era a terceira filha de um total de 10 irmãos. Entrou para a congregação das irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, pois foi a única que abriu as portas para Faustina, no ano de 1924 Adotando o nome de Irmã Maria Faustina do Santíssimo Sacramento

As aparições de Jesus o Rei da Divina Misericórdia, aconteceu em 22 de fevereiro de 1931 (diário I, sessões 47, 48 e 49)

Faustina precisava testada (provada) no fogo como diz a palavra e assim aconteceu, diante das suas inúmeras dificuldades, contrariedades e problemas físicos.

Foi transferida para várias vezes, mas a transferência para Vilnus fez toda a diferença, pois la Faustina veio a conhecer o Pe. Miguel Sopocko, confessor das freiras do convento e quem solicitou que freira deveria passar por uma psiquiatra e que também após a constatação de que Faustina nada tinha de anormal, passou a acompanha-la com mais dedicação e solicitando que escrevesse todas as suas lembranças e encontros com Jesus em um diário.

Faustina faleceu em 05/10/1938 as 22:45.

No ano de 1965, o arcebispo de Cracóvia, Karol Wojtyla, abriu um processo investigatório mais detalhado e com farto material proveniente de testemunhas, e ordenou que o mesmo fosse enviado ao Vaticano, e que fosse iniciado o processo de beatificação de Faustina, o qual teve início em 1968. Sendo que, fora o mesmo Karol Wojtyla; a iniciar e finalizar o processo de beatificação e canonização da Santa polonesa.

No dia 18 de abril de 1993, o papa João Paulo II declarou a Irmã Maria Faustina do Santíssimo Sacramento, beata, e em 30 de abril de 2000, efetivou sua canonização elevando a as honras do altar.

Uma frase que muito me marcou disse Eduardo foi a que diz: “Sem confiança em Jesus, não tem como haver misericórdia”

Pregador Eduardo Teruel

Próximo encontro: 06/05 – Sábado

  • Tema: Nossa vida sobre os cuidados de Jesus Misericordioso.
  • Novena: 3º Dia da Novena – Pedido e oração sobre os relacionamentos

Veja também: