4ª – Acolher o peregrino: “Senhor… quando foi que te vimos e te acolhemos…? (Evangelho de São Mateus 25, 38)

4-Obra-deAcolher é uma graça, uma dadiva e uma benção que muitas pessoas não sabem fazer isso. Jesus ao ser questionado sobre quem era o peregrino respondeu de forma profunda: “Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizeste isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que fizestes” Evangelho de São Mateus 25, 40

As palavras do Cristo são profundas e desconcertantes. Esta quarta obra de misericórdia trata do acolhimento ao peregrino e ao que anda pelas ruas. Trata de ter misericórdia com aquele que caminha, com aquele que precisa de um lar, ou com aquele que foi expulso do lar. O peregrino, o abandonado, o desabrigado é o homem e a mulher semelhante a Cristo.

Sobre os gestos de amor que realizamos São Joao da Cruz tem uma frase muito perspicaz que diz assim: “Ao entardecer desta vida, examinar-nos-ão no amor”. Essa frase de São João diz o como seremos julgados pelo Raio X do amor, é pelo amor que seremos despidos em nosso exame de consciência.

“Não vos esqueçais da hospitalidade, pela qual alguns, sem o saberem, hospedaram anjos. ” (Carta de São Paulo aos Hebreus 13,2). A hospitalidade faz com que sejamos libertos do egoísmo e transforma-nos em amigos, permite a partilha, a liberalidade, a benignidade e o amor fraterno.

  • Somos chamados a acolher e a hospedar.
  • Somos chamados a acolher e a sermos hospitaleiros.

Assim, mais do que tudo Jesus nos convida através dessa obra de misericórdia corporal a acolher e a amar.

Abraão acolheu anjos e recepcionou o próprio Senhor presente nos três forasteiros. Ele reconheceu a presença de Deus naqueles peregrinos: “É para isso que passastes perto de vosso servo…” (Gn 18, 5), para que eu os ajudasse e pudesse ser abençoado por Deus. Quantas vezes, o Senhor nos envia pessoas precisando de nossa ajuda, para através delas nos abençoar, curar, libertar do egoísmo, nos salvar.

Os discípulos de Emaús acolheram o Cristo no caminho e tiveram a alegria de dizer ao Senhor: “Fica conosco, já é tarde, e já declina o dia…” (Evangelho de São Lucas 24, 29)

A passagem dos discípulos de Emaús narra que dois discípulos de Jesus vinham de Jerusalém com destino a aldeia cujo nome era Emaus quando foram alcançados pelo próprio Jesus.

Diz o Evangelho de Lucas no capitulo 24, 16 que os discípulos reconheceram o Senhor: “Seus olhos estava como que vedados e não o reconheceram…”. Jesus se apresentou aos discípulos na partilha do pão, mostrou sua face e “então se lhes abriram os olhos e lhe reconheceram… mas ele desapareceu” (Evangelho de São Lucas 24,31).

Quando acolhemos alguém acolhemos o próprio cristo, a alegria de tratar bem alguém abrasa o coração, foi assim lá em Emaus, e assim com quem aquele e sera assim com quem vier a acolher.

O senhor costuma aparecer sem marcar hora, lugar ou dia. Ele simplesmente aparece.

Equipe Mais de Deus

Veja também:

 

Referências:

Livros: Bíblia Sagrada, As Obras de Misericórdia Corporais e Espirituais.