Mae-catequista2A mãe deve ser a primeira catequista dos seus filhos. Essa verdade que nem sempre é levada a sério, porque essa tradição tem se quebrado nas duas últimas gerações. Digo isso, pois nossa sociedade perdeu o temor de Deus e a generalização que se faz no texto é proposital diante da escalada vertiginosa dos escândalos de corrupção, criminalidade e a proliferação do jeitinho brasileiro de passar a perna no outro.

Nos dias atuais, temos vivido tempos difíceis, e contemplado situações sociais desestabilizadoras porque os cidadãos de nossa sociedade confundiram as missões e deveres pertinentes as famílias e aos governos. E o pior de tudo isso é que, ambos fingem que ensinam e os filhos fingem que aprendem.

Para se ter uma ideia, a cerca de 500 anos antes e Cristo, o filósofo grego Pitágoras advertiu a sociedade dizendo: “educai as crianças e não será preciso punir os homens”. Tal sabedoria escrita antes da organização da bíblia pode muito ter sido originada dos antigos escritos hebreus, visto que a bíblia no velho testamento já fala sobre a educação das crianças. Todavia, tal sensatez nos faz pensar:

  • Como nossa sociedade está educando nossas crianças?
  • Como nossas famílias tem educado as crianças?
  • Que princípios e valores tem sido empregado para tal educação? Ou ainda,
  • Até que ponto os pais tem terceirizado a educação dos filhos a outros?

É importante antes de mais nada ter duas coisas definhada sobre a missão dos pais e a missão do governo:

  • 01 – A missão dos pais: educar os filhos nos valores e princípios cristãos, possibilitando que as crianças cresçam e se tornem jovens honrados, íntegros, respeitadores e educados.
  • 02 – A missão do governo: erradamente apontada como a de educar, a missão das repartições públicas ligadas ao ministério da ‘educação’, que deveria ser chamado de Ministério do Ensino, é simplesmente a de ensinar. Levando as crianças e jovens, conhecimento do saber em suas mais diversas vertentes como: do idioma, matemática, ciência, filosofia, entre outras coisas.

Com esta perda do sentido de deveres e obrigações, vivemos como que num carro solto na banguela sem freio, porque não sabemos como isso vai terminar e quando terminar a problemática gerada pode ter um desfecho destrutivo de grandes proporções; ou melhor dizendo e parafraseando um dito popular, crianças de muitos pais morre de fome.

Há uns dias atrás escrevemos um texto que questionava as atitudes dos homens dentro da casa: Sinceros como Pilatos: Você também tem lavado as suas mãos na família?

Hoje estamos questionando as mães, visto que normalmente a mãe é quem passa a maior parte do tempo com o filho (a). E por conta de tal proximidade é preciso que a mãe tome para si o dever de instruir as crianças na lei de Deus. Independente do dever do marido, a mulher deve assumir no que se lhe compete a missão de “ensinar os filhos, falando-lhes delas (das leis e princípios cristãos) seja em vossa casa, seja em viagem, quando vos deitardes ou levantardes.”  (Deuteronômio 11, 19)
Toda criança precisa saber de seus limites, e ela não nasce sabendo isso, ela aprende, as vezes facilmente as vezes não. As vezes aprende na conversa, outras adquire o entendimento através da “vara e correção”, que trarão “a sabedoria”; pois um “menino abandonado à sua vontade se torna a vergonha da mãe”. (Provérbio 29, 15)

As mulheres cristãs estão perdendo a sabedoria bíblica da educação dos filhos por conta da educação libertina secular, e com isso colhendo frutos amargos em família, por que virou as costas para a palavra de Deus que diz: “Corrige teu filho e ele te dará repouso e será as delícias de tua vida.” (Provérbios 29, 17). “Fala com sabedoria e ensina com amor”. (Provérbios 31, 26) e a graça de Deus repousará sobre a sua casa.

Ricardo Mari e Equipe Mais de Deus

Leia também: