Evo Morales, atual presidente da Bolívia

Foram 21 dias de protestos e confrontamentos nas ruas de grandes cidades da Bolívia. Tudo começou após as eleições, eram computados 80% dos votos, com perspectivas de segundo turno, aí aconteceu o inesperado, o governo suspendeu a contagem por 24hs e quando findou o prazo, o atual presidente estava com uma dianteira de 10 pontos de vantagem e eleito para o quarto mandato.

Os enfrentamentos entre populares e polícia começou a ruir, quando policiais de alguns departamentos se recusaram a dissipar os manifestantes, no último dia 09/11. O saldo desses protestos são 300 feridos e 3 mortos.

Agora o presidente Evo Morales, convocou novas eleições, com data a ser marcada e com a promessa de renovação do órgão eleitoral do pais.

A OEA (Organização dos Estados Americanos), tinha até o dia 13/11, para dar o resultado da auditoria que faz nos documentos e atas da eleição boliviana; no entanto, devido as graves evidencias das denúncias, resolveu antecipar o anuncio que culminou com a decisão do presidente boliviano de convocar novas eleições e anular a eleição já feita.

Equipe Mais de Deus