A igreja medita nas sete dores de Maria como forma de refletir no sofrimento da mãe de Jesus, ensinando nos também a nos compadecer e estar junto de Maria. Assim, ao meditar nas dores de Maria também convidamos a mãe de Jesus para estar conosco em nossas dificuldades:

As sete dores de Nossa Senhora

  1. A profecia de Simeão sobre Jesus (Lucas, 2, 34-35)

Maria e José vão ao Templo para apresentarem o menino Jesus ao Senhor Deus. Lá, o profeta Simeão vai ao encontro deles e diz a Maria: ‘Uma espada de dor transpassará teu coração.’ Num momento feliz, quando se apresenta um bebê ao Senhor, Maria recebe a notícia de uma ‘espada de dor’. Certamente, junto com a alegria do bebê Jesus, estas palavras penetraram seu coração e a fizeram sofrer.

  • A fuga da Sagrada Família para o Egito (Mateus, 2, 13-21);

E as dores de Maria não demoraram para começar. Pouco tempo depois de ter ouvido a profecia de Simeão, a Sagrada família teve que fugir para o Egito porque Herodes procurava o Menino Jesus para mata-lo. A Sagrada Família permaneceu 4 anos no Egito, vivendo num país diferente, com uma língua diferente, costumes diferentes, longe dos parentes e da terra natal.

  • O desaparecimento do Menino Jesus durante três dias (Lucas, 2, 41-51);

Depois que voltaram do Egito, Jesus, Maria e José de Nazaré, como judeus piedosos, peregrinavam a Jerusalém todos os anos para celebrarem a Páscoa. Quando jesus completou 12 anos, fizeram esta peregrinação. A caravana de Nazaré voltou para casa. Porém, Jesus ficou no Templo discutindo com os Doutores da Lei, enquanto seus pais pensavam que ele estivesse com os meninos na caravana. Quando notaram sua falta, voltaram a Jerusalém aflitos e só o encontraram depois de três dias, quando Jesus lhes disse que ‘Deveria cuidar das coisas de seu Pai.’ A perda do Menino Jesus, sem dúvida, foi uma grande dor para o coração de Maria, e também uma grande lição que ela guardou em seu coração.

  • O encontro de Maria e Jesus a caminho do Calvário (Lucas, 23, 27-31);

Imagine a dor de Nossa Senhora ao ver seu filho carregando uma cruz, condenado como um bandido, rumo à morte. E, no caminho, o povo insultava e ofendia seu Filho, como se ele fosse realmente um mal feitor. Qual mãe não sofre ao presenciar isso’

  • O sofrimento e morte de Jesus na Cruz (João, 19, 25-27);

A crucificação, com toda a crueldade e dor que envolvia, foi outra espada que transpassou o coração de Maria. Cada cravo que perfurava o corpo de seu Filho, perfurava também o seu coração. Cada chaga que abriam em seu Filho, abriam também em seu coração.

  • Maria recebe o corpo do filho tirado da Cruz (Mateus, 27, 55-61);

Maria, de pé, presenciou a morte de seu filho. E, para certificar-se de que ele estava realmente morto, um soldado perfurou seu coração com uma lança, de onde jorrou sangue e água.

  • O sepultamento do corpo do filho no Santo Sepulcro (Lucas, 23, 55-56).

Após presenciar a morte de seu Filho, Maria presenciou também seu sepultamento, num túmulo emprestado por José de Arimatéia. Aqui encerram as sete dores de Nossa Senhora, com a aparente vitória da morte. Porém, Jesus ressuscitou e a vida venceu a morte. Mas as dores de Maria certamente fazem dela a Co-redentora da humanidade, junto com Jesus.

Esta é a oração inicial do terço de Nossa Senhora das Dores.

Virgem Dolorosíssima,

…seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de vossas Dores particulares,

…graças para uma sincera penitência,

…oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos.

Alcançai-nos Senhora, de Vosso Divino Filho,

…pelos mérito de Vossas Dores e lágrimas, a graça…(pedir a graça).

Amém.

Em seguida, pode se rezar o Terço das Dores, contemplando cada Dor e rezando 1 Pai Nosso e 7 Ave Marias em cada dor contemplada.

Equipe Mais de Deus

Leia também: