Maria-e-a-criança

A Virgem e o Menino, Elisabetta Sirani (1663)

Certamente a relação de Jesus com sua mãe foi muito próxima e a bíblia deixa a entender que Maria era muito presente na vida de Jeus:

  • Um desses fatos é a narração da “apresentação do menino no templo” como era um costume da época. Ver Evangelho de São Lucas 2, 22-24. Fato esse que mostra que tanto Jose como Maria eram muito zelosos para com os costumes da época.
  • Outra importante passagem fala sobre o encontro do menino no templo e que está ligada “a adolescência e a juventude de Jesus”, quando o menino estava junto aos doutores da lei, ao encontra-lo José e Maria, chamaram a atenção do menino pois estavam preocupados e o trouxeram de volta com eles e onde o evangelho expressa que Jesus “…lhes era submisso”. (São Lucas 2, 51b)

 

Uma relação de obediência e cumplicidade

Maria-nas-bodas-de-cana

Podemos dizer que a relação de mãe e filho era muito próxima e intima, Maria certamente sabia do que Jesus era capaz de fazer. Prova disso é o que encontramos na história bíblica narrada no Evangelho de São Joao 2, 1-11, intitulada de As Bodas de Caná:

“Três dias depois, celebravam-se bodas em Caná da Galiléia, e achava-se ali a mãe de Jesus. Também foram convidados Jesus e os seus discípulos. Como viesse a faltar vinho, a mãe de Jesus disse-lhe: Eles já não têm vinho”. (Evangelho de São João 2, 1-3)

Aqui vemos que Maria sabia do problema, e foi comunicar a Jesus, porque sabia que ele era capaz de fazer algo, a certeza de Maria, nos leva a supor:

  • Em sua infância Maria já havia presenciado ações extraordinárias de Jesus. Como alerta o evangelho de São Lucas 2, 40: “estava cheio de sabedoria, e a graça de Deus repousava nele”.
  • O menino já devia ter multiplicado algum alimento.

 

“Respondeu-lhe Jesus: Mulher, isso compete a nós? Minha hora ainda não chegou. Disse, então, sua mãe aos serventes: Fazei o que ele vos disser”. (Evangelho de São João 2, 4-5)

Igual a nossas mães (rs), Maria chegou pra Jesus e colocou ele para tomar uma atitude. Quem nunca estando na casa da mãe e chega uma visita e você está de saída e a mãe chama você e diz ilho pega uma coisa para fulana e você sem resposta pega mesmo atrasado, ou então a mãe diz que você indo para o norte, pode dar uma carona para determinada pessoa que mora o sul e a mãe diz: “ele te leva é caminho!”

“Ora, achavam-se ali seis talhas de pedra para as purificações dos judeus, que continham cada qual duas ou três medidas. Jesus ordena-lhes: Enchei as talhas de água. Eles encheram-nas até em cima. Tirai agora, disse-lhes Jesus, e levai ao chefe dos serventes. E levaram. Logo que o chefe dos serventes provou da água tornada vinho, não sabendo de onde era (se bem que o soubessem os serventes, pois tinham tirado a água), chamou o noivo e disse-lhe: É costume servir primeiro o vinho bom e, depois, quando os convidados já estão quase embriagados, servir o menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora”.  (Evangelho de São João 2, 6-10)

Maria não só sabia que Jesus era capaz de multiplicar algo como também transformar, estamos vendo Jesus mudar a forma e a substancia da bebida (da água para o vinho) como acontece nos Milagres Eucarísticos. Assim, podemos perceber:

  • Ela sabia que Jesus faria se ela pedisse,
  • Ela sabia que ele atenderia um pedido que viesse ajudar as pessoas.
  • A família iria passar vergonha e Jesus veio para cuidar de todas as necessidades do homem. Não algo sim e algo não: “Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei. Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso é leve.”(Evangelho de São Mateus 11, 28-30)

 

“Este foi o primeiro milagre de Jesus; realizou-o em Caná da Galiléia. Manifestou a sua glória, e os seus discípulos creram nele.”  (Evangelho de São João 2, 6-11)

Maria tinha em seu coração que a hora de Jesus já estava chegando, essa certeza era fruto da intimidade e da ligação de uma mãe com seu filho. A obediência de Jesus mostra o quanto ele a respeitava e com certeza a ouvia, levando a crer que Maria deveria ser portadora de uma sabedoria muito grande.

Podemos ver que na relação de Jesus com Maria era possível encontrar atitudes como:

  • Amizade – a cumplicidade de mãe e filho ,
  • Obediência – pois sabia que ela era a sua genitora,
  • Submissão – respeitava-a por ser sua mãe,
  • Respeito – nutria respeito diante das pessoas,
  • Prontidão – ainda que viesse a discordar, sendo o filho de Deus, estava sempre pronto para atende-la

Equipe Mais de Deus

Referências:

  • Livro: Catecismo da Igreja Católica, Bíblia Católica, O Evangelho Secreto de Maria (Santiago Martin)
  • Site: Sou Mais de Deus, Bíblia Católica online, Artbible

 

Veja também: