money-1632057_64015 Conselhos Bíblicos que farão a diferença em sua vida (Série)

Hoje vamos ter uma pequena aula de economia, no que se diz na maneira de como devemos nos portar em relação ao que temos. Se olharmos como José do Egito, podemos ver como ele agiu:   “A terra produziu abundantemente durante os sete anos de fertilidade. José ajuntou todo o produto destes sete anos no Egito e os pôs em reserva nas cidades, e os mantimentos dos campos que estavam ao redor de cada cidade, guardou-os na mesma cidade. José ajuntou trigo como a areia do mar, em tal quantidade que se não podia contar, pois que ela excedia a toda a medida”.  (Gênesis 41, 47 – 49)

  • Fez economia, mesmo não estando em dificuldades. José buscou guardar uma parte do que colhia para fazer um estoque e ter uma reserva nos dias de precisão. É importante lembrar que diante da sua fidelidade e intimidade com Deus, suas ações eram inspiradas pelo Altíssimo.
  • Eliminou o desperdício. Fazendo economia diante das dificuldades que estavam por vir, José eliminou o desperdício das coisas e ensinou os da casa a usarem aquilo que era o fundamental.
  • Equilibrou as contas. Para poder guardar ele não poderia consumir além do que produzia, sendo assim, além de não desperdiçar, também não gastou com coisas sem precisão.

“Tendo acabado os sete anos de abundância que houve no Egito, os sete anos de miséria começaram, assim como o tinha predito José. A fome assolou todos os países, mas havia pão em toda a terra do Egito. Em seguida houve fome também no Egito, e o povo clamou ao faraó pedindo pão. Este disse a todos os egípcios: “Ide a José, e fazei o que ele vos disser”. Como a fome assolasse toda a terra, José abriu todos os celeiros e vendeu víveres aos egípcios. Mas a penúria cresceu no Egito. E de toda a terra vinha-se ao Egito comprar trigo a José, porque a fome era violenta em toda a terra”. (Gênesis 41, 53 – 57)

Aqui aprendemos o quanto devemos agir com temperança e equilíbrio, até mesmo com nossas contas, pois nossas despesas são nossas e não podemos sobrecarregar outras pessoas com nossos fardos.

Sendo assim, quer seja em família ou individual o cristão deve agir com equilíbrio e temperança. Uma ótima ajuda é perguntar sempre:

  • “Eu preciso realmente disso”?

Ricardo Mari e Equipe Mais de Deus

Fotos: pixabay

Leia também: