Em manifestação de rua black Bloc pisa na bandeira da nação

Parece que uma corrente ideológica tem se disseminado no meio da população com idade inferior a 50 anos e principalmente junto aos mais jovens. Uma contaminação que tem levado a aversão aos símbolos pátrios, de modo que cada vez mais se encontre pessoas que tem evitado as cores verde e amarela, o hino da nação e a própria bandeira nacional, símbolos pátrios da terra onde nascemos e; tudo isso, em razão de que os símbolos nacionais foram e vem sido valorizados pelo atual presidente e por seus seguidores.

A situação é tão preocupante que algumas pessoas têm chegado ao ponto de ligar as centenárias cores do nosso pais ao fascismo e, por isso, evitando-as. Esse questionamento as cores que estão em nossa bandeira desde os tempos do império, têm gerado inúmeros incômodos e atritos.

Vamos agora, expor dois exemplos de situações presenciadas, onde os nomes dos envolvidos foram trocados, bem como os momentos dos fatos, permanecendo os significados e a essência das conversas:

Fato 01 – Uma mulher de nome Maria disse-nos que seus filhos não mais querem usar as cores verde e amarelas, por conta da utilização delas pelo presidente Jair Bolsonaro. Essas atitudes manifestas pelos filhos estão fortemente ligadas ao seu ingresso a universidade, sendo que para ela foi muito clara a mudança dos rapazes até mesmo no que diz respeito a religião e a Deus desde que passaram a cursar o ensino superior.

Outro caso que vamos relatar diz conta a uma conversa informal, mas muito intensa no seu conteúdo:

Fato 02 – Estávamos na mesa conversando sobre assuntos variados quando comentando sobre as escolas, fiz um paralelo sobre as pessoas não terem mais um patriotismo como dos anos de nossos estudos fundamentais onde tínhamos aulas de OSPB, educação Moral e Cívica e que participávamos do “culto” a bandeira. A reação foi automática e ele me disse que isso era da ditadura e que não tínhamos que cantar hino nacional coisa nenhuma.

Esses dois relatos manifestam que existe uma confusão e que os símbolos pátrios estão sendo ligados de forma inescrupulosas com atividades ditatoriais e fascistas. Prova disso aconteceu em Curitiba/PR, quando Manifestantes queimaram a bandeira do Brasil em Curitiba. Isso é luta pela democracia?

Veja o vídeo abaixo da época do próprio governo Dilma e perceba que ao corrigir sobre quem mata quem, a pessoa é chamada de Patriota-idiota e tire suas conclusões:

Ainda que o presidente Bolsonaro fosse promotor de uma ideologia impropria, as cores do Brasil estão acima dele e vieram antes dele, assim como o nosso hino nacional que está em vigor antes dos tempos da ditadura e da atual presidência.

Valorizarmos as coisas do nosso pais, seus símbolos, sua gente e suas representações pátrias está além de qualquer ligação fascista ou de qualquer outra ideologia que promova a supressão dos direitos das pessoas.

Ligar nossas representações pátrias é digna de se caracterizar a uma idiotice elevada ao cubo, já que sob as cores de nossa bandeira estão as nossas seleções desportivas que tanto amamos e a qual destacamos a nossa seleção canarinho pentacampeã e a nossa seleção de vôlei, tantas vezes campeã mundial usando as cores de nossa pátria e a qual já nos proporcionou alegrias e emoções incalculáveis.  

Assim, antes de qualquer coisa somos brasileiros e se o somos cidadãos desta nação acima de tudo está o amor e o orgulho de termos nascido nesta Terra de Santa Cruz que se consumou a ser chamada de Brasil.

Equipe Mais de Deus