Tiffany

Tiffany – antes e depois.

O Projeto de Lei nº 346, do Deputado Estadual Altair Moraes (PRB) paulista, foi publicado nesta terça-feira (02/04) no Diário Oficial de São Paulo. Pelo projeto estabelece que o sexo biológico é o único critério para definir a participação de atletas em uma determinada modalidade no Estado de São Paulo.

Dessa forma, o projeto que ainda carece de aprovação do plenário da Assembleia Paulista, proibi a participação de pessoas transexuais em equipes formada por pessoas opostas ao seu sexo de nascimento.

A medida implica que uma pessoa nascida homem não poderá atuar em uma equipe feminina ainda que tenha passado por cirurgia corretiva de sexo e que tenha recebido tratamento hormonal para se assemelhar ao sexo pretendido e vice-versa.

Trocando em miúdos a lei pretende que:

  • Homem nascido homem joga com homens
  • Mulher nascida mulher joga com mulheres

Ainda a nova lei estimula que haverá uma multa de 5 salários mínimos para o clube que não cumprir com a nova determinação. Caso seja aprovado, o projeto deverá entrar em vigor 6 meses após a sua aprovação. Lembrando que é uma lei estadual e que impede times do Estado de São Paulo e não do Brasil.

O contexto da lei

Para alguns do meio esportivo o que mobiliza este projeto de lei é a estrutura física de um homem jogando com mulheres, ainda que seja uma pessoa trans, que tenha passado por cirurgia e tomado hormônios femininos, por ter nascido homem a pessoa tende a ter uma estrutura maior que a feminina. Com mais impulso, mais condição respiratória entre outras coisas.

Tiffany-2Para aprofundar a discussão, no último dia 27/03 em jogo valido pela superliga feminina de vôlei, em jogo entre Bauru e Sesc Rio, o técnico Bernardinho soltou a seguinte frase captada nas câmeras e viralizada nas redes sociais: “Um homem é foda!” Bernardinho – técnico do Sesc Rio. O técnico se referia a jogadora trans Tiffany, que joga o campeonato como mulher e teve o inicio da sua carreira como jogador masculino de volei.

Em defesa do ex-técnico da seleção a também ex-jogadora Ana Paula, disse: “existe uma minoria barulhenta que quer empurrar a todo custo que sentimentos são mais importantes que fatos e biologia”

Com a repercussão do fato o técnico do Sesc Rio pediu desculpas a jogadora do Bauru.

Equipe Mais de Deus