ME Augsburg 1No ano de 1194, uma senhora devota ao Santissimo Sacramento, foi a figura central para que o milagre chamado de “Wunderbarlichen Gutes”, (Bem Milagroso) acontecesse. Na oportunidade a senhora após participar da comunhão, colocou discretamente uma pequena parte da hóstia em um lencinho e levou para casa onde permaneceu.

Passaram cinco anos quando em 1199, a senhora sentindo um profundo remorso se dirigiu ao Pe. Berthold para se confessar da atitude de levar a hóstia para casa. O padre solicitou então a senhora que trouxesse o lenço com a hóstia. Devolvida a hóstia, a surpresa se deu que passados cinco anos a hóstia que fora guardada num recipiente de cera estava com aparência e características de carne. A hóstia se apresentava “dividida em duas partes e apenas unida através de filamentos de carne ensanguentados”.

Imediatamente o Padre levou o fato para apreciação do Bispo Udalskalk, o qual ordenou que a hóstia fosse levada até a catedral pelo clero juntamente com o povo e que ali colocada na devida acomodação recebesse do povo as honras devidas – exposta para adoração num relicário de cristal.

M E Agsburg SJB

Convento de Heilig Kreuz

Após o ocorrido o milagre continuou e a hóstia começou a crescer e a inchar, esse transformação durou da pascoa até a festa de São João Batista, podendo ser observada aos olhos de quem ali estivesse. Assim o Bispo Udalskalk transladou a Hóstia para o convento de Heilig Kreuz e estabeleceu que, a cada ano fosse comemorado um aniversário em honra da Santa Relíquia, cuja finalidade era a de recordar tão memorável e extraordinário acontecimento.

Ao longo dos séculos a hóstia foi analisada por diversos especialistas que manifestavam que a mesma se trata de carne e sangue humano.

Referencias:

  • Livro: O milagre e os Milagres Eucarísticos

 

Veja também: