beads-1452994_640Bem sabemos que devemos lutar pela verdade e combater o pecado e as heresias, no entanto, tal atitude não deve nos colocar em batalha contra o nosso próximo.

No passado inúmeros irmãos da fé pegaram em armas e partiram contra iguais, afim de eliminar ‘o mal’ com a morte de semelhantes.

A palavra diz em Efésios 6, 12 que: “Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares”.

Muitas vezes brigamos entre irmãos, por motivos banais e por que não entendemos o outro nem o que está acontecendo em nosso meio. Todavia, a bem da verdade é que quando falta a oração em nossas vidas, falta o equilíbrio do amor e se faltou o equilíbrio do amor é por que faltou o sopro de Deus em nosso interior. Faltou o Espirito, faltou o amor e se faltou o Amor, faltou Deus, pois “Deus é Amor” (1João 4, 8)

Definitivamente se queremos ser cristãos autênticos precisamos ser a imagem de Cristo nos nossos sentimentos e semelhantes a Cristo quanto ao amor para com os demais, somente assim, seremos verdadeiramente Mais de Deus.

O exemplo do Papa Francisco na busca de uma maior aproximação com Anglicanos e Luteranos é para nós um exemplo a ser seguido e se quisermos combater o mal devemos combater com os nossos joelhos dobrados através da oração, da paz e do amor, perguntando-se sempre: “No meu lugar o que faria Jesus”?

Coloquemo-nos em combate, usando a única arma que nos é permitida: A oração.

Armemo-nos de Jejuns, clamores e suplicas. E em hipótese alguma esqueçamos do Santo Terço, quer seja o de Maria, quer seja o Terço da Misericórdia ou de outras devoções católicas. Mas oremos, colocando-nos de joelhos por um mundo melhor e uma convivência pacifica entre crentes em Cristo.

Ricardo Mari – Equipe Mais de Deus.

Veja também: