Papa discursa aos religiosos

Em sua última etapa da visita, ao Madagascar, o Papa Francisco, expressou diante de sacerdotes, consagrados e seminarista o seu discurso mais eloquente dessa viagem. Sua fala foi direta e certamente não ficará apenas em solo Melgaxe, mas ecoara em todo o mundo católico.

Ao dizer que o clero, religiosos, religiosas, seminaristas e missionários não são profissionais do sagrado, o Papa expressou que a igreja depende do Cristo: “Louvando, aprendemos a sensibilidade de não ‘perder a bússola’, para não fazer dos meios fins, nem do supérfluo o que é importante. ”

Em outras palavras, Francisco que sempre foi um questionador dos padres que vivem como “príncipes”, deu a entender que aqueles que estão à frente das igrejas ou em nome de Cristo devem estar ligados ao Senhor e dependentes D’Ele.

Disse também que, o clero e religiosos também devem renovar constantemente o seu batismo e o motivo do seu chamado:  “ Isto convida-nos a recordar o nosso Batismo, como o primeiro e grande sacramento pelo qual recebemos o selo de filhos de Deus. Tudo o mais é expressão e manifestação deste amor inicial que sempre somos chamados a renovar. ”

Completando que “ A pessoa consagrada, no sentido amplo da palavra, é a mulher ou o homem que aprendeu e quer permanecer no coração do seu Senhor e no coração do seu povo. ”

Tudo em nome do Senhor Jesus

Os setenta e dois discípulos, prosseguiu o Papa, estavam conscientes de que o sucesso da missão dependeu do fato de a terem cumprido “em nome do Senhor Jesus”.

Lembrou que os discípulos de Jesus,  não carregavam panfletos de propaganda com o retrato de Cristo. A alegria dos discípulos nascia da certeza de fazer as coisas em nome do Senhor, de viver o seu projeto, de partilhar a sua vida.

Em seu nome, acrescentou o Pontífice, “vocês são vencedores dando de comer a uma criança, salvando uma mãe do desespero de ficar sozinha a cuidar de tudo, dando trabalho a um pai de família”. É uma luta vitoriosa aquela que se combate contra a ignorância, garantindo uma educação. Grande sinal de vitória sobre o mal é recobrar a saúde a milhares de pessoas.

“Continuem com estas batalhas, mas sempre na oração e no louvor!”, encorajou o Papa.

Profissionais do sagrado

Todavia, está sempre à espreita o risco de se tornar “profissionais do sagrado”, ao invés de ser homens e mulheres de louvor.

“ Vençamos o espírito do mal no seu próprio terreno, ou seja, onde ele nos convida a apegar-nos a garantias econômicas, a espaços de poder e glória humana, respondamos com a disponibilidade e a pobreza evangélica que nos levam a dar a nossa vida pela missão. Não deixemos que nos roubem a alegria missionária! ”

Jesus louva o Pai, disse por fim o Papa, porque revelou estas coisas aos “pequeninos”. Estes pequeninos são os consagrados, porque a sua alegria está precisamente nesta revelação que Ele fez: a pessoa simples “vê e escuta” aquilo que nem os sábios, nem os profetas, nem os reis podem ver e escutar.

“ Feliz Igreja dos pobres e para os pobres, porque vive impregnada do perfume do seu Senhor, vive jubilosa, anunciando a Boa Nova aos descartados da terra, àqueles que são os preferidos de Deus. ”

Equipe Mais de Deus

Fonte: Vatican News