No último dia 28 de janeiro de 2020, terça-feira, o Papa Francisco convocou os cristãos a serem alegres, em outras palavras é como se tivesse questionado-nos sobre a possibilidade de alguém querer se converter para viver a amargura.

As pessoas querem viver o amor e a alegria de uma vida nova. No entanto, muitos cristãos vivem a tristeza de um evangelho sombrio, onde as músicas têm que serem frias e sombrias e aonde não se expressa a alegria de ser salvo.

Imagine uma coisa: Jesus participou de uma festa de casamento “as bodas de caná”; mas, será que lá ele não sorriu? Será que lá ele não se alegrou? Será que não desejou felicidade aos noivos?

Todos aqueles que verdadeiramente encontram-se com o Senhor tem suas vidas mudadas e experimentam algo novo e querem ver em suas vidas o que Paulo diz: Vivei sempre contentes (Tessalonicenses 5, 16); assim, querem conquistar todos para Cristo, afim de que sintam a mesma alegria que estamos sentindo.

Cheio da verdade o Papa disse: “o Evangelho só irá avante com evangelizadores cheios de vida”.  E isso é o que precisamos vivenciar, a beleza da vida que Cristo nos trouxe. Afinal de contas, o próprio Jesus disse: “Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância.” (Evangelho de São João 10, 10b)

Assista o trecho da homilia do Papa no vídeo abaixo:

Que posamos ser semeadores de vida e alegria, capazes de contagiar todas as gentes ao nosso redor, afinal de contas a alegria é fruto do espirito, ‘são perfeições que o Espirito Santo forma em nós’ (CIC 1832), descrito na carta de Paulo aos Gálatas 5, 22 e 23:  “Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há Lei.”
Em tempo se ainda o evangelho não causa esta alegria em nossas vidas carecemos de nos aprofundar no convívio diário com Cristo!


Equipe Mais de Deus

Fonte: Vatican News

Leia também: