A instituição da Eucaristia ou ‘última ceia’, é o evento que dá início ao Tríduo Pascal e aconteceu quando jesus se reuniu com os apóstolos antes de ser crucificado. Assim, a comemoração memorial desse dia se dá na Quinta-feira Santa. A instituição da Eucaristia pelo próprio Jesus é um momento impar para a constituição de um culto ao Pai através de Jesus.

Jesus Cristo instituiu o Sacramento da Eucaristia na última ceia que celebrou com seus discípulos, na noite que precedeu sua Paixão. (CSPX, 620 – Cap IV)

A última ceia (1498), Leonardo da Vinci

A última ceia (1498), Leonardo da Vinci

Os acontecimentos da última ceia

A última ceia é repleta de acontecimentos pontuais e marcantes que são feitos por Jesus:

  • Jesus prepara os discípulos para a sua partida,
  • Jesus faz referência a sua traição e
  • Jesus expressa que será negado por Pedro e
  • Jesus institui a Eucaristia.

Essas quatro ações destacadas manifestam o fim da participação humana de Jesus, pois após a crucificação os discípulos apenas viram Jesus ressuscitado. Do mesmo modo, Jesus Cristo instituiu a Santíssima Eucaristia, por três razões principais:

  • 1º para ser o sacrifício da nova lei;
  • 2º para ser alimento da nossa alma;
  • 3º para ser um memorial perpétuo da sua Paixão e Morte, e um penhor precioso do seu amor para conosco e da vida eterna. (CSPX, 621 – Cap IV)

A bíblia usa 5 livros para expressar de forma clara a instituição da Eucaristia por Jesus (Evangelhos de João, Marcos, Mateus e Lucas e a Carta de São Paulo aos Coríntios); essas narrações exemplificam de maneira clara a instituição da comunhão em pontos de vista que são ao mesmo tempo, singulares e parecidos. Vale se atentar que os evangelhos narram o acontecimento, enquanto o livro de Coríntios menciona de forma mais teológica.

EVANGELHO DE SÃO JOÃO – Jesus é o pão da vida.

A instituição da Eucaristia (1640), Nicolas Poussin

A instituição da Eucaristia (1640), Nicola Paussin

O evangelista João narra a afirmação de Jesus que se intitula “o pão da vida”, essa afirmação do Cristo, mostra a grandiosidade, a veracidade, a autenticidade e a propriedade na qual Jesus se auto afirma como o novo maná.

“Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá fome, e quem acredita em mim nunca mais terá sede”. (Evangelho de São João 6, 35); e reafirma nos versículos 48-50: “Eu sou o pão da vida. Os pais de vocês comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. Eis aqui o pão que desceu do céu: quem dele comer nunca morrerá. ”

Assim podemos ver em São João 6, 51-59 características marcantes desta ação de Jesus:

  • QUEM É JESUS – Jesus mostra quem é: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. (51a)
  • A PROMESSA – Jesus promete aos que comungarem: “Quem comer deste pão viverá eternamente. ” (51b)
  • A MISSÃO – Jesus manifesta a sua missão: “E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo.” (51c) “A essas palavras, os judeus começaram a discutir, dizendo: Como pode este homem dar-nos de comer a sua carne?
  • O VALOR DA EUCARISTIA – Jesus mostra a importância da Eucaristia: “Disse-lhes Jesus: “Em verdade, em verdade vos digo: Se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vôs mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne verdadeiramente é comida e o meu sangue, verdadeiramente é bebida. ” (53-55)
  • COMUNHÃO COM DEUS – Jesus fala da comunhão com Ele de quem comunga: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele.” (56) 
  • O DISCIPULADO – Jesus afirma o discipulado que adquire quem comunga: “Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim, quem de mim se alimenta, também viverá por mim. (57) Este é o pão que desceu do céu; não é como o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram;”
  • VIDA ETERNA – Promete a vida eterna para quem comunga: “…quem comer este pão viverá para sempre. ” (58c) Estas coisas falou Jesus quando ensinava na sinagoga em Cafarnaum. ”

EVANGELHO DE SÃO MATEUS – Jesus fala da Nova Aliança:

A ocasião da páscoa aconteceu nos dias dos pães ázimos como numa preparação para a páscoa judaica: “Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e deu aos discípulos, dizendo: “Tomai e comei, isto é o meu corpo”. Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: “bebei dele todos, porque isto é o meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados”  (São Mateus 26, 26-28)

EVANGELHO DE SÃO MARCOS – Parecido com o de São Mateus manifesta o ritual:

“Durante a refeição, Jesus tomou o pão e, depois de o benzer, partiu-o e deu-lho, dizendo:

Jesus deu uma ordem: ‘Tomai, isto é o meu corpo. ’ Em seguida, tomou o cálice, deu graças e apresentou-lho, e todos dele beberam. E disse-lhes:

Jesus afirmou: ‘Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado por muitos.” (São Marcos  14, 22-24).

E ainda no EVANGELHO DE SÃO LUCAS:

Última Ceia (1631-32), Rubens

Última Ceia (1631-32), Rubens

No capítulo 22 do evangelho segundo São Lucas é possível ver pontos importantes descrito pelo evangelista.

  • UM DESEJO – Jesus manifesta o desejo de ceiar com os discípulos: “Chegada que foi a hora, Jesus pôs-se à mesa, e com ele os apóstolos. Disse-lhes: Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes de sofrer.”  (São Lucas 22, 14-15)
  • “Pegando o cálice, deu graças e disse: Tomai este cálice e distribuí-o entre vós.” (São Lucas 22, 17)
    “Tomou em seguida o pão e depois de ter dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que é dado por vós;” (são Lucas 22, 19)

 

  • UMA ORDEM – Jesus ordena que a ceia deve ser repetida: “fazei isto em memória de mim.” (São Lucas 22, 19)
  • “Do mesmo modo tomou também o cálice, depois de cear, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança em meu sangue, que é derramado por vós…” (São Lucas 22, 20)

PRIMEIRA CARTA DE SÃO PAULO AOS CORÍNTIOS

  • UM TESTEMUNHO – O testemunho de Paulo quanto a Sagrada Eucaristia instituída por Jesus se manifesta por quem recebeu a tradição e o entendimento por parte do Senhor: “Eu recebi do Senhor o que vos transmiti: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, depois de ter dado graças, partiu-o e disse: Isto é o meu corpo, que é entregue por vós; fazei isto em memória de mim. Do mesmo modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de mim.” (I Coríntios 11, 23-25)
  • O MEMORIAL – “Assim, todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice lembrais a morte do Senhor, até que venha.” (I Coríntios 11, 26)
  • O RESPEITO – “Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação.” (I Coríntios 11, 27-29)
  • A EUCARISTIA É UMA PROTEÇÃO – “Esta é a razão por que entre vós há muitos adoentados e fracos, e muitos mortos.” (I Coríntios 11, 30)

Veja também:

Referências:

  • Fotos: Artbible e pixabay
  • Livros: Catecismo da Igreja Católica (CIC), Bíblia Católica, Youcat, Catecismo de São Pio X
  • Sites: Wikipédia, Mais de Deus.