A cidade do Rio de Janeiro, cartão postal do Brasil teve uma manhã de pânico nesta terça-feira (09/04), exatos dois meses após noticiarmos que a “fortes chuvas causam mortes e destruições”, a população voltou a sofrer com as chuvas.

O transtorno causado pelo temporal foi imenso, causando quedas de arvores, alagamentos, enxurradas, onde algumas ruas estavam mais para corredeiras do que um simples alagamento. A situação foi tão grave que o prefeito chegou até mesmo solicitar que as pessoas não saíssem de casa, as aulas foram suspensas na rede municipal e o pior aconteceu – 4 mortes.

As chuvas tiveram início por volta das 21 horas de ontem (08/04) e prosseguiram madrugada a dentro e se intensificaram no amanhecer do dia, em entrevista o prefeito Marcelo Crivella disse: “Não foi efetivo não. Imaginávamos que viria chuva forte, mas não imaginávamos que fosse cair com tanta força na zona sul”.

Durante a manhã a cidade se encontrava intransitável com vários lugares alagados e os corredores viários interrompidos, novamente a ciclovia Tim Maia (Zona sul da cidade) teve trecho interrompido por conta de queda da estrutura, na região de São Conrado. Graças a Deus sem vítimas (em 2016, 2 pessoas morreram quando uma ressaca derrubou parte da pista).

Com essa nova queda na ciclovia, aumentam ainda mais as dúvidas quanto à segurança dessa obra e principalmente para as pessoas que nela transitam.

As sirenes também foram acionadas nos morros, alertando a população de possíveis problemas, num total de 39 sirenes.

Que Deus salve o Rio, porque os homens não sabem se conseguem.

Equipe Mais de Deus