O talmude é o conjunto de escritos judaicos que da forma ao judaísmo, tem a função de alicerçar todas as leis e rituais judaicos, explicando e esclarecendo pontos importantes do Pentateuco.

A ele se define como a Compilação da Lei Oral que foi transmitida à Moises por Deus no Monte Sinai. Seus escritos são motivos de estudos ao longo dos séculos

Dividido em duas grandes partes, “O Talmud” tem dois componentes principais: a Mishná (escrito em hebraico), que é um livro sobre a lei judaica, e a Guemará (escrito em hebraico-aramaico), que explica a primeira parte. Sendo assim, essas duas ‘partes’ definem-se como um conglomerado de anos de sabedoria, história, legislação lendas e filosofia judaica
Existem na verdade dois Talmudes, Talmude Babilonico ou Talmud BAvli escrito entre os séculos 1 e 3 e o Talmude de Jerusalém (Yerushalmi) o qual se dedica mais a Terra de Israel

É importante mencionar que quando as pessoas falam no Talmud, geralmente estão-se referindo ao Babilônico. No entanto, há outro que foi escrito em Israel. Conhecido como o de Jerusalém o Talmud Yerushalmi foi revisado pelo Rabi Yochanan 300 anos após a destruição do Segundo Templo. É bem mais conciso que o Talmud Bavli, o Babilônico, pois, de fato, trata principalmente das leis referentes à Terra de Israel. Via de regra, os judeus que viviam na diáspora negligenciavam a obra compilada em Jerusalém, mas, nos últimos anos, vimos renascer o interesse por essa obra, devido grandemente ao retorno de milhões de judeus à Terra de Israel.
É a Mishná que provê a Guemará de sua base organizacional e factual. Cada uma das leis talmúdicas precisa ter uma fonte e esta é encontrada na Mishná. A Guemará pode dissecar e divagar sobre os ditames da Mishná, estabelecer conexões entre seus diferentes assuntos e esclarecer aparentes contradições, mas não pode abertamente discordar da mesma. A Mishná surge como o árbitro final em qualquer litígio talmúdico.

O Talmude Babilônico

talmude-babilonicoMantidos pela Biblioteca estatal da Baviera, foi escrito na França em 1342.Este é o único manuscrito restante no mundo que contém, com exceção de duas folhas faltantes, o texto completo do Talmude babilônico, incluindo alguns tratados extra canônicos: Derekh Eretz zuta, Pirkei Azzai, Kallā, Sôferîm e Gērîm e o qual segundo registros, este Talmude se encontrava em posse da família ‘Ulma’ (comerciantes) em Augsburgo no ano de 1772, sendo vendido ao priorado agostiniano de Polling. Após o fechamento do mosteiro em 1803, o manuscrito foi transferido para a biblioteca da corte de Munique, que veio a se tornar a Biblioteca Estatal da Baviera.

Considerado o mais valioso dos manuscritos da biblioteca é uma coletânea de opiniões rabínicas escritas entre os séculos III e V na Babilônia (Iraque Atual).

Veja também:

Fontes: