Em sua catequese semanal, o Papa Francisco explicou aos cristãos reunidos como o homem constrói imagens de Deus que lhes impedem de vivenciarem sua presença real.

“…há quem possua uma imagem errônea de Deus que se torna um obstáculo para experimentar a presença divina na própria vida: alguns criam um deus sob medida, um falso ídolo, para encontrar refúgio psicológico, saciar os seus desejos e interesses, ou até mesmo para justificar o ódio e a violência; outros ainda consideram Jesus um mero mestre de ensinamentos éticos. Diante desses perigos, somos chamados a eliminar os obstáculos para poder crescer na fé e nos transformarmos em instrumentos de misericórdia. ”

Analisemos os obstáculos da atualidade que nos impedem de ter esse contato próximo e vivo com Deus e que nos fazem viver uma forma errônea de cristianismo:

01 – Um Deus sob medida: isso acontece quando algumas pessoas ajustam a vontade e o querer de Deus segundo suas maneiras de viver e pensar,

02 – Um Falso ídolo:  é muito claro quando as pessoas querem dar a forma que bem entendem a Deus, tratando Deus segundo as suas necessidades,

03 – Refúgio psicológico: no momento da sua neurose pessoal as pessoas buscam a Deus para em Deus justificar seus atos,

04 – Desejos e interesses: com a finalidade de saciar seus desejos e interesses as pessoas buscam no serviço a Deus a sua autopromoção onde não existe o interesse em promover o bem e sim em promover a si mesmo, ou até mesmo

05 – Justificativa ao ódio e a violência: para justificar atitudes intolerantes alguns se prontificam a ser defensores ardorosos da fé, tornando se muito parecidos aos antigos fariseus, que com a mesma língua que anunciam o amor promovem a ‘morte’ do irmão; outros ainda consideram

06 – Jesus um mero mestre de ensinamentos éticos:  esses são os cristãos que até professam acreditar em Jesus, no entanto, o que Jesus disse “não é bem assim” e interpretam as palavras de Jesus quando e como lhes convém.

Papa Francisco ao finalizar disse que: “Deus não mandou o seu filho no mundo para castigar os pecadores nem para aniquilar os malvados”, sabia lembrança visto que também nós devemos agir como imitadores de Cristo e não como juízes de Cristo; pois apenas pode ser um bom imitador aquele que conhece a pessoa de Jesus Cristo.

E finaliza: Tenhamos o compromisso de não colocar nenhum obstáculo ao agir misericordioso do Pai”

Equipe Mais de Deus

Fonte: Acidigital e audiência Geral (site Vaticano)