p2

Sacerdote católico celebra em igreja do interior da amazônia

A princípio com o objetivo de atenuar o problema da falta de padres na Amazônia brasileira, uma proposta que partiu do cardeal brasileiro Dom Claudio Hummes, pode ser o começo da solução de um dos maiores problemas pastorais da amazônia, como também sacerdotal, que envolvem os inúmeros padres casados da Igreja.

Considerado um tabu para muitos membros da igreja, a proposta de permitir que padres casados possam celebrar pode gerar mais controvérsia, afinal existem grupos que apoiam e discordam.

No mundo são mais de 95 mil padres casados afastados dos altares, sendo cerca de 10 mil somente no Brasil.

Assim, com a permissão do Papa Francisco de reabrir a discussão que a dura muitos anos, a suspensão parcial do celibato pode representar uma mudança nas regras católicas depois de centenas de anos. Visto que o celibato não é um dogma e sim uma regra disciplinar da igreja.

Vale lembrar que desde o ano de 2015, a Igreja Católica possui em seu quadro de sacerdotes ocidentais alguns padres casados provenientes da Igreja Anglicana, aceitos logo após mudanças no estatuto dessa denominação.

Em 2019, a igreja prepara um Sínodo Pan-Amazonico, para o mês de outubro no Vaticano, com a finalidade de discutir as dificuldades de evangelização nessa região sul americana; onde cerca de 70% dos habitantes tem pouco ou quase nenhum acesso a eucaristia.

Vale lembrar que toda essa, questão tem em Dom Erwin Krautler, secretário da Comissão Episcopal para a Amazônia da CNBB, que tem levantado incessantemente a bandeira sobre como líder com a questão amazônica.

Uma volta ao princípio da igreja, que no início permitia o casamento de padres casados, afinal Pedro era casado, pode dar um alento não só a Amazônia, como também para outros recantos do mundo que carecem de um pastoreio sacerdotal.

Que o Espirito santo ilumine nossos pastores para que façam o que é melhor para o bem da igreja e que, acima de tudo, ouçam os anseios à vontade de Deus.

Equipe Mais de Deus

Fonte: