Pela primeira vez na televisão brasileira, uma emissora transmitira a meditação do “relógio da paixão” que também é chamada de “horas da paixão”.

A meditação que se dará no programa ‘Você Pode ser Feliz’, tem por finalidade, fazer com que as pessoas meditem as dores e a paixão de nosso Senhor Jesus Cristo antes da Semana Santa.

O programa se propõe a meditar durante 24 dias, a partir de 26 de fevereiro, quarta-feira de cinzas, as 24 horas do relógio da paixão, iniciando com a Santa Ceia e terminando com a crucificação de Jesus.

Para quem já medita as horas da paixão a experiência é classificada como fascinante e espetacular, já que leva o leitor a se aproximar ainda mais de Jesus. “Nosso senhor, como piedosamente se acredita, prometeu aqueles que meditam essas horas, e aonde meditam, muitas isenções de punições divinas”, e ainda promete a “aplacação da justiça divina, (e) o perdão dos flagelos que o Senhor prepara”. (Extraído do livro “As 24 horas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo)

Os escritos do livro citado, podem ser conseguidos gratuitamente pela internet, ou ainda, ser adquirido (para quem quiser ter o livro em mãos) nas melhores livrarias do pais.

Luísa Piccarreta (1865-1947)

Luisa Piccarreta

A mulher que recebeu a revelação do livro As 24 horas da paixão, nasceu em 23de abril de 1865, na cidade de Corato, Província de Bari, Itália.

Aos 13 anos um estranho e misterioso estado de sofrimento a deixava de cama e inconsciente. Mesmo se tratando com um médico, era a benção sacerdotal que a fazia voltar ao seu estado normal.

Pe. Gennaro, impressionado com o que acontecia com Luísa, lhe impôs a obediência para escrever os relatos de suas visões; de 28 de fevereiro de 1899 a 28 de dezembro de 1938, foram escritas cerca de 10 mil páginas por Luísa.

Por não poder se locomover e para garantir o seu sustento, Luísa com a ajuda de sua irmã Angelina bordava em almofadas. Luísa tornou se popular junto as pessoas de sua cidade e sacerdotes e leigos de todas as partes dirigiam-se a pequena Corato para visita-la, tanto era isso que ela recebeu do arcebispo o direito de participar da Celebração Eucarística em sua própria casa.

Santo Aníbal

Santo Anibal Maria de Francia encontrava-se com muita frequência na casa de Luísa, de quem era confessor extraordinário e, nos seus dois últimos anos de vida, foi designado, pelo Arcebispo de Trani, como diretor em relação a tudo o que se referia aos escritos de Luísa, em vista da sua publicação, e, por este motivo, foi nomeado Revisor Eclesiástico da Arquidiocese de Trani-Barletta-Biscegli.

Deste modo, foi ele quem deu início à publicação destes escritos, tendo sido o livro “As 24 Horas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo” o primeiro a ser publicado e que foi escrito por Luísa durante os anos de 1913 a 1914, do qual o Padre Aníbal fez quatro edições (1915, 1916, 1917, 1921), todas com o Nihil Obstat e o Imprimatur.

Entre os testemunhos, que conservamos da sua relação com Luísa, encontram-se várias cartas que o Padre Aníbal lhe escreveu, durante os dois últimos anos da sua vida (1925-1927); destas transcrevemos alguns parágrafos, para vermos como a Divina Vontade foi fazendo estrada naquela alma.

Em todas as suas cartas, Padre Aníbal manifesta, claramente, como a Divina Vontade passou a ser o centro da sua vida e da sua espiritualidade e a sua única razão de existir. Transcrevemos, aqui, alguns parágrafos que colocam em evidência isso mesmo.

Equipe Mais de Deus

Fontes:

  • Livros: “As 24 horas da Paixão, Associação do Senhor Jesus, Orações para viver a Divina Vontade.