Nascida na Itália – Amabile Lucia Visintainer, nasceu Vigolo Vattaro – Trento, em 16 de dezembro de 1865. Era filha de Napoleone Visintainer (Wiesenteiner) e Anna Pianezzer, de família pobre, veio para o Brasil em 1875 e se estabeleceram em Vigolo, Santa Catarina na região do Vale do Itajaí, onde em 1892 nasceria a cidade de Nova Trento.

Muito católica, desde pequena sempre foi atuante nos serviços religiosos, fato esse que o padre da região, chamado Servanzi, iniciou um trabalho pastoral ali e confiou a Amabile a 3 atividades importantes:

01 – O catecismo às crianças,

02 – Ajuda aos doentes e de

03 – Manter limpa a capelinha de São Jorge

Em 1888 Amábile teve três sonhos com a Virgem Maria. Nesses sonhos, Nossa Senhora disse a Amábile: “Amábile, é meu ardente desejo que comeces uma obra: trabalharás pela salvação de minhas filhas.” Amábile responde: “Mas como fazer isso minha Mãe? Não tenho meios, sou tão miserável, ignorante…” Quando acordou após o terceiro sonho, Amábile assim respondeu em oração: “Servir-vos Minha querida Mãe…sou uma pobre criatura, mas para satisfazer o vosso desejo, prometo me esforçar o máximo que eu puder!”

No ano de 1895, aos 30 anos, emitiu seus votos e adotou o nome de Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus. Em agosto do mesmo ano, o bispo de Curitiba aprovou a a fundação da congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, tendo sido nomeada como superiora, sendo chamada assim de Madre Paulina.

Em 1903, Paulina e algumas irmãs aceitam um convite para se instalarem em São Paulo, criam a obra da Sagrada Família, cujo objetivo era acolher ex-escravos.

Com o crescimento da obra e número de irmãs e suas ações sócias, a inveja também perseguiu Paulina. Uma senhora chamada Ana Brotero, passou a caluniar e perseguir a madre de forma tão impiedosa que em 1909, dom Duarte destitui-a de suas obrigações como superiora e obrigou a um “exilio” na cidade de Braganca Paulista. Sempre obediente mas, com uma dor na alma se sujeitou aos trabalhos mais humildes e pesados sem murmurar e sobre isso mencionou: “Meu único desejo é que a obra da Congregação continue para que Jesus Cristo seja conhecido e amado por todos.”

A partir de 1918 passa a ter uma vida muito reservada, dedicando-se à oração e à vida contemplativa. Em 1938 já demonstrava sérios problemas de saúde causados pela diabetes, que lhe causou várias amputações. Passou os últimos meses de sua vida cega, vindo a falecer em 9 de julho de 1942 na cidade de São Paulo. 

Em 18 de outubro de 1991 foi beatificada pelo Papa João Paulo II por ocasião da sua visita a Florianópolis.

 E foi canonizada em 19 de maio de 2002 pelo mesmo Papa, recebendo oficialmente o nome de Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus. É considerada a primeira santa brasileira, mesmo não tendo nascida no Brasil.

Sua festa litúrgica é celebrada no dia 9 de julho

Equipe Mais de Deus

Leia também: