Decididamente ser cristão não é fácil, é recompensador, é gratificante. Se o mundo cobra das pessoas prontidão, ou disponibilidade, certamente vai cobrar muito mais de um cristão.

O mundo onde vivemos está cada vez mais independente, por consequência se torna comum, vermos a cada dia, mais e mais pessoas, caminhando isoladas no cristianismo, digo isoladas porque dizem não precisar de uma igreja para estarem ligadas a Deus.

Quando não, as pessoas escolhem uma igreja segundo a sua necessidade ou sua autoafirmação de cristianismo; um cristianismo estilo selfservice, onde haja leis e doutrinas concomitantes ao que eu quero ouvir e seguir. Assim, vemos pessoas que:

  • Não se comprometem com o evangelho,
  • Não se comprometem com o próximo,
  • Lutam superficialmente contra o pecado,
  • Por causa de outras pessoas se afastam da igreja,
  • Dizem abertamente não precisar de uma igreja e que
  • São felizes “caminhando” do seu jeito sem incomodar a ninguém.

Triste e decepcionante história de quem não entendeu nada do evangelho e que pode estar vivendo numa vida de ‘mornidão’ (Apo 3, 16b) espiritual e social, “nem frio nem quente” (Apo. 3, 16c) e o pior de tudo e mais grave, achando que está fazendo o certo, a pessoa pode estar prestes a “ser vomitada” (Apo. 3, 16d)

Assim, hoje em dia começa a ser mais raro encontrarmos pessoas que possam dizer, “Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé.”; como está escrito em II Timóteo 4, 7. Clamemos que o senhor nos encontre firmes na fé, resistentes e fiéis. Pois, certo diz a palavra que “Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.” (Evangelho de São Mateus 7, 2).

Pensemos, olhemos para o nosso interior quem somos, o que queremos e aonde queremos chegar.

Equipe Mais de Deus