A missa em Maurício foi celebrada no dia em que a Igreja recorda a memória do Bem-aventurado Jacques-Desiré Laval, conhecido como o “apóstolo da unidade mauriciana”, na capital, Porto Luís.

O local da Missa, foi o Monumento de Maria Rainha da Paz, inaugurado em agosto de 1940, onde a virgem segura em suas mãos o globo terrestre e é meta de peregrinações.

Chamando os cristãos a serem bons o Papa Francisco disse: “As Bem-aventuranças «são como que o bilhete de identidade do cristão. Assim, se um de nós se questionar sobre “como fazer para chegar a ser um bom cristão”, a resposta é simples: é necessário fazer – cada qual a seu modo – aquilo que Jesus disse no sermão das Bem-aventuranças”.

Falou isso sobre a necessidade das pessoas em:

  • Viver a mansidão,
  • Ter sede de justiça,
  • Agir com Misericórdia,
  • Viver com a pureza em seus corações e
  • Serem pacificadores

Fato esse que demanda aos cristãos ser:

  • Luz para o mundo
  • E tempero para dar gosto a vida.

“Nelas está delineado o rosto do Mestre, que somos chamados a deixar transparecer no dia-a-dia da nossa vida»“ (Francisco, Exort. ap. Gaudete et exsultate, 63), como fez o Beato Jacques-Désiré Laval, chamado o «apóstolo da unidade mauriciana», tão venerado nestas terras.

O amor de Cristo e dos pobres marcou de tal maneira a sua vida que o protegeu da ilusão de realizar uma evangelização «abstrata e assética». Sabia que evangelizar implica fazer-se tudo para todos (cf. 1 Cor 9, 19-22)

Devemos também nós, recuperarmos este convite a felicidade. Só os cristãos alegres suscitam o desejo de seguir este caminho; «a palavra “feliz” ou “bem-aventurado” torna-se sinónimo de “santo”, porque expressa que a pessoa fiel a Deus e que vive a sua Palavra alcança, na doação de si mesma, a verdadeira felicidade» (Ibid., 64).

Equipe Mais de Deus

(Parte do evangelho da homilia do Papa Francisco, nas ilhas Mauricio 09/09/2019).

Leia também: