Atualmente vivemos como que em meio a uma guerra, ainda que invisível, mas uma guerra, onde todos os dias somos massacrados por todos os lados com oportunidades de pecado tão fortes que se não estivermos atentos sucumbimos.

Vemos no nosso dia a dia, um mundo que tem se tornado cada vez mais erótico. Nos últimos 40 anos esta geração tem sido erotizada de maneira paliativa dia a dia. Em todos os patamares da pirâmide social, a erotização tem influenciado pobre e ricos, brancos e negros, brasileiros e estrangeiros.

Como que sem percebermos, satanás arquitetou uma maneira de escravizar o homem e a mulher através das carências de ambos. O mundo das trevas tem investido contra as woman-1514510_640fraquezas do homem e da mulher, e uma das armas foi aproveitar-se do sexo, usando o para satisfazer suas carências e suas paixões, impulsionou a muitos numa escravidão espiritual.

As supostas “conquistas” que, liberalizaram costumes e atitudes, em muitas vezes vulgarizaram as mulheres, tiraram sua feminilidade e a transformaram-na em objeto.  Da mesma forma com os homens, tiraram de muitos a sua masculinidade, e ao invés de corrigir atitudes machistas e grosseiras, transformaram os mesmos em cidadãos inseguros; e em ambos os lados homens e mulheres tem vivido a cultura do momento. Onde cada um é incentivado a viver o agora, o prazer do instante, vazio e volúvel. Verdadeiras armadilhas tanto para homens como também para as mulheres.

Armadilhas essas, que só vamos perceber, quando colocamos em risco um namoro, um noivado ou um casamento. Essas armadilhas são tão perigosas que colocam-nos a beira de um abismo. Vivemos em tempos onde as pessoas tem perdido suas bases familiares, muitas pessoas pautadas na liberdade de ir e vir, hoje andam nas ruas sem o menor pudor e o respeito para com o próximo, tem se perdido na mesma velocidade como perdemos o nosso próprio respeito.

Diante disso, só teremos força para resistir as tentações se estivermos ligados a videira (ligados a Cristo), longe dele somos como ramo cortado do tronco esperando a seiva se findar. Mais do que nunca precisamos estar juntos com irmãos que busquem a Deus, que orem conosco, que amem a Deus mais do que tudo. Afinal, bons costumes se perpetuam ao lado de bons costumes.

“Feliz o homem que suporta a tentação. Porque, depois de sofrer a provação, receberá a coroa da vida que Deus prometeu aos que o amam.” (São Tiago 1, 12)

Pense e reflita!

Ricardo Mari e equipe Mais de Deus